Paróquia Sagrada Família - Cianorte!

Diocese do Divino Espírito Santo - Umuarama!

Igreja Matriz Sagrada Família recebe cruz de 4,5 metros vinda da Itália

Igreja Matriz Sagrada Família recebe cruz de 4,5 metros vinda da Itália

No dia 13 de setembro de 2019, após a saída da Itália em dezembro do ano passado e superado muitas burocracias para a sua liberação, finalmente chega a Cruz Interna na Igreja Matriz Sagrada Família de Cianorte.
O Padre Carlos Antônio Gomes, que foi o intermediador para a vinda do objeto sagrado, conta que “primeiro tentou-se por meio de transporte marítimo, porém não foi possível. Por fim veio por transporte aéreo, mais caro, porém mais viável. O atraso ocorreu, principalmente, porque a aviação programou para vir direto para o aeroporto de São José dos Pinais em Curitiba, mas foi direto para o Aeroporto de São Paulo. Com isto, tivemos que fazer uma nova papelada para liberação da Receita Federal, do Ibama (por motivo da madeira que embalava a cruz) e, também, Receita Estadual” conclui o Padre.

Uma breve história da doação da Cruz:

Após uma amigável conversa com uma senhora, que reside na Itália, que se encontrava na Cidade de Cianorte, em passeio, e conversando sobre a reforma da Igreja Matriz Sagrada Família, ela decidiu anonimamente doar a cruz interna da igreja. Ela mesma escolheu o escultor aproveitando a sua volta para a Itália. Consultou vários e em conversa com o Rvmo. Pe. Carlos Antônio Gomes, decidiu confeccionar a obra com o Escultor italiano Lino Agnini. Ele é mundialmente famoso e fez obras para a Santa Madre Tereza de Calcutá, São João Paulo II, Papa Bento XVI e, a pouco tempo, para o Papa Francisco.
Inclusive, sobre o Papa Francisco, aconteceu uma feliz coincidência. O Sr. Lino Agnini havia doado uma escultura da imagem de São Jorge para o referido Papa. E este decidiu enviar para busca-la, com uma carta de agradecimentos, o seu secretário direto, ou seja, o EXmo. Cardeal Pietro Parollin. Ao chegar na fábrica, o Sr. Lino deu o presente e pediu ao Cardeal que desse uma bênção à cruz que já estava para ser enviada ao Brasil, o que fez de imediato. O Sr. Lino, recebendo a notícia de que a cruz, após quase cinco meses para ser liberada pela Receita Federal, assim respondeu: Enfim! O “Cristo” foi abençoado pelo Secretário de Estado: o Cardeal Peter Parolin. Foi aberto? Saudações e até breve.
No dia quinze de maio de dois mil e dezenove, por meio do whatzap, a doadora da cruz, enviou duas fotos tiradas do Jornal “Il Gionarle di Vicenza”, da Itália, referindo-se à Cruz com o Cristo, confeccionada pelo grande artista plástico, Sr. Lino Agnini. O texto foi traduzido da língua italiana para a portuguesa, pelo Pe. Carlos Gomes.

“O trabalho criado pelo artista Agnini

Da Brenta ao Paraná. O grande crucifixo parte para o Brasil.

Em fibra de vidro mede 4,5 metros. Meses de trabalho na via Molini.

Uma arte de exposição para a cidade de Nove, graças a uma nova obra do artista Lino Agnini. Recentemente Agnini, originário de Puglia, mas que mudou-se para Nove há anos, criou seu novo trabalho. A obra é de notável tamanho. É um crucifixo das dimensões de 4,5 metros de altura e 2 metros de largura. O corpo de Cristo tem uma dimensão de 2,10 metros de altura e uma largura dos braços de 1, 5 metros. O trabalho foi feito de fibra de vidro e decorado em ouro, substâncias especiais, tais como que Lino Agnini até agora havia feito outras vezes, mais acostumados a bronze e material cerâmico local. ‘A fibra de vidro oferece grande versatilidade, mas também é um material leve e ao mesmo tempo sólido – spíega Agnini – O procedimento utilizado foi o mesmo de uma escultura em bronze’. A grande escultura envolveu alguns meses de trabalho, na oficina de Novati, na Via Molini, comprimida pelo design da caixa de madeira da história. O crucifixo foi uma encomenta do Brasil, pela diocese de Umuarama, do estado de Paraná, destinado a embelezar a Igreja Matriz da Paróquia da Sagrada Família de Cianorte. Especifico também o instante e a atitude que Lino Agnini quis dar à obra: “É Jesus Cristo no momento do diálogo com sua mãe Maria, quando pronuncia as palavras: ‘Eis o teu Filho’. Eu queria representar um derramamento de sangue duplo – o derramamento de sangue duplo – explica o artista de Nove – para enfatizar o grande momento de dor e sofrimento.”
Perguntado sobre se gostou da Cruz e do Cristo, Pe. Carlos respondeu via Whatzap à doadora, que reside na Itália: “Gostei muito por motivo de sua beleza artística, com expressão de sofrimento, de dor. Um bom modo de evangelizar hoje.  Só que isto, à primeira vista, poderá assustar um pouco aqueles que são mais simples e não entendem de arte. Mas isto é bom. Tem que chamar a atenção e, creio, ajudará o fiel a rezar mais ao observar esta imagem.  E, além disso, tem tudo a ver com a Sagrada Família ao tratar de Jesus falando com a sua Mãe. Já não é mais a Sagrada Família de Nazaré, mas toda a família Igreja, deixada pelo seu Filho Jesus, em que Ela será a Mãe. Molto belo.”
O Bispo Diocesano, Dom João Mamede Filho, em conversa com o Pe. Carlos, pediu para “solenizar este momento”